quinta-feira, 29 de outubro de 2015



Ameaçado e chamado de “escória” por parlamentar que defende a morte de “bandidos”, o deputado federal Jean Wyllys (PSOL) fez um discurso acalorado em que lembrou a ocasião em que João Rodrigues (PSD-SC) foi flagrado, no plenário, assistindo a filmes pornô; confira





A sessão plenária desta quarta-feira (28) da Câmara dos Deputados contou com uma discussão acalorada entre os deputados federais Jean Wyllys (PSOL) e João Rodrigues (PSD-SC). Depois de ter sido ameaçado pelo pelo parlamentar do PSD e chamado de “escória” com posterior tentativa de intimidação ao deputado do PsoL com expressões como “você não sabe com quem você está mexendo” e “toma cuidado”, Wyllys respondeu aos ataques lembrando a ocasião em que Rodrigues foi flagrado assistindo a filmes pornô em plena sessão plenária. 

A irritação de Rodrigues com Wyllys começou depois que o psolista postou, em seu Facebook, críticas ao posicionamento do parlamentar que defende, entre outras coisas, uma “faxina de bandidos”. “Bandido safado, nojento, merece morrer mesmo”, disse. 

Confira abaixo o vídeo com a resposta de Jean Wyllys e o diálogo que teria se estabelecido entre os dois:

video




Há pouco, no plenário da Câmara, a Deputada Federal Jô Moraes me chamou para mostrar o boletim da Comissão de Relações Exteriores, da qual fazemos parte. Estávamos alí, analisando a publicação, quando o deputado João Rodrigues (PSD-SC) chegou bem próximo de mim e me abordou [pra quem ainda não sabe quem ele é, eu informo que é aquele cujas falas em favor da morte de "bandidos", chamando-a de "faxina", eu critiquei em postagens anteriores; e também aquele que foi flagrado, em plena sessão, assistindo a um filme pornô]. O breve "diálogo" que se seguiu foi mais ou menos o seguinte: 

 João Rodrigues: Você me conhece? Você sabe quem eu sou? 

 Eu: Nunca lhe cumprimentei nem me apresentei pessoalmente, mas, sim, sei quem você é. 

João Rodrigues: Então, você tome cuidado com o que você fala a meu respeito. Você postou, colocando a minha foto, que "bandido bom é bandido de gravata e com gabinete". Você não me conhece...  [Ele achava que eu me intimidaria. Perdeu o chão quando olhei em seus olhos e reiterei tudo que eu escrevi sobre sua fala de tons fascistas e acrescentei:]

Eu: ...E, por fim, alguém precisava relativizar sua fala; afinal, você foi denunciado pelo Ministério Público por aquilo que o órgão considera crime. 

João Rodrigues: Mas, o processo contra mim que você citou foi arquivado...

Eu: Ora, se o processo contra você foi arquivado, é porque você teve amplo direito a defesa. Então, os outros que você chama de "bandidos" também devem ter direito a defesa, em vez de serem mortos sem a chance de se defender, não?

João Rodrigues: Bandido safado, nojento, merece morrer mesmo. 

Eu: Ah, é? Então por que você não sobe à tribuna e diz isso em relação ao Eduardo Cunha? Afinal, pra Procuradoria Geral da República, ele cometeu os crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão ilegal de divisas, logo, é um bandido... 
 
 João Rodrigues: Mas ele só está denunciado... 

Eu: Mas por qual julgamento passaram os "bandidos" ao quais você se refere para já sentenciá-los à pena de morte? Vamos, se bandido bom não é bandido com gravata, então por que você não sobe à tribuna e diz, em relação a Cunha, o que você disse sobre os bandidos pobres?

João Rodrigues: E por que você defende Lula? 

Eu: Em primeiro lugar, eu não defendo Lula. Ele não precisa de minha defesa. Em segundo, ainda não há nenhuma denúncia formal contra Lula. Em terceiro, quem está negando o direito à defesa e defendendo pena de morte no vácuo da legalidade é você; não eu! 

João Rodrigues [chegando bem mais perto de mim, de modo que eu quase sentia sua respiração e seu perfume]: Eu defendo a pena de morte mesmo! Você fica aí, defendendo essa raça... Você não sabe com quem você foi comprar briga! [referindo-se a si mesmo] 

Eu [olhando no olho dele e para baixo, já que ele é bem menor que eu]: "Essa raça" é também parte do povo brasileiro e está sob o mesmo estado de direito... Quem é você para decidir quem vive ou morre? Deus? E se você está me ameaçando, devo lhe dizer que não temo sua ameaça. [aproximando-me bem dele e olhando diretamente em seus olhos] Os tempos mudaram, meu caro. Os "coronéis" já não podem mais intimidar as pessoas ou ameaça-las impunemente.

João Rodrigues [se esforçando para ser irônico]: Não, eu não estou lhe ameaçando. Eu não ajo desse forma. Eu não cheguei aqui pelo BBB, aquela putaria, eu tenho muitos mandatos.

Eu: Bom, eu estou em meu segundo mandato e fui eleito com quase 145 mil votos, mas se você quer crer que foi o BBB que me trouxe aqui, fique à vontade... Ao menos não cheguei pela força da grana.

João Rodrigues: Bom, agora você já me conhece. Já sabe quem eu sou. E já está avisado de que mexeu com a pessoa errada. 

Eu: Prazer. Agora você já sabe que eu não temo o que me parece uma ameaça. 

Despedimo-nos. Ele seguiu. Eu permaneci ali para concluir minha conversa com  Morais. O clima estava tão tenso entre os que conseguiam nos ouvir que dava para cortar o ar com uma faca [toda a conversa se deu como numa cena de um thriller político]  E, aí, amados e amadas, vocês acham que eu devo temer algo mais que as já manjadas difamações, injúrias e calúnias feitas na internet? 

*Durante a produção do texto acima, em que contava a vocês a cena surreal em que fui abordado pelo deputado João Rodrigues, ele subiu à Tribuna da Câmara para novamente me atacar e intimidar. 

Não intimidou!!!! Sou acostumado a falar o que penso, porque a verdade é libertadora. A resposta que dei a ele está no vídeo. 






Via: 
http://goo.gl/iz8H4l 

Comentários